8 de out de 2015


Coluna do Masters – “A Delicadeza do Amor”


O amor costuma pregar peças, todos nós estamos sujeitos as peripécias da vida. A dica da semana segue com uma pegada emocional forte, questionamentos sobre os tipos de beleza e como lidamos com elas. Vamos acompanhar um romance bem diferenciado e cativante, espero que gostem.
“Vou te falar uma coisa, a Nathalie em uma mulher excepcional que se impõe sobre todas as outras, a Nathalie é uma Yoko Ono, é o tipo que consegue acabar com maior banda de todos os tempos, é assim que a Nathalie é.” - A Delicadeza do Amor (La Délicatesse)

Dica da semana...
Tem épocas em que tudo está indo tão bem que parece ser impossível algo dar errado. Infelizmente a vida arruma um jeito de virar tudo de pernas para o ar. Nathalie (Audrey Tautou) se encontra em um excelente momento na vida, um bom emprego, casamento dos sonhos, tudo está tomando um excelente rumo. Porém, infelizmente uma fatalidade ocorre. Seu marido falece após um acidente que deixa Nathalie totalmente abalada emocionalmente. Em busca de superar a dor, a jovem se dedica fortemente ao trabalho empenhando todo seu tempo na sua carreira. Certo dia Markus (François Damiens) um colega de trabalho vai até a sala dela para falar sobre um cliente em especifico. Nathalie em um momento de devaneio beija ele inconscientemente e deixa tudo como se nada tivesse acontecido. A partir desse dia os dois começam a se conhecer sem muitas programações levantando questões importantes sobre relacionamentos amorosos e sociais de uma forma irreverentemente diferenciada.
"Adoro te ver rir, me faz pensar que sou engraçado."

Para quem já conferiu... (Contém Spoilers)
Simples, mas grandioso, é assim que esse filme consegue ser tão encantador. A trama segue três problemáticas fixas: a morte física de um grande amor, os dois lados da beleza de um ser humano e a opinião de terceiros.
A morte nunca foi algo fácil, ela sempre acarreta vario problemas. O filme faz questão de mostrar que Nathalie buscou no trabalho um meio de esquecer tanto sofrimento. Sua dedicação no serviço transformou a mesma em uma poderosa mulher que se protegia fortemente contra os relacionamentos. Podemos notar perto do desfecho final que ela jamais esqueceu seu marido falecido, apenas aceitou que é possível ser feliz novamente e que nem tudo deve ter um fim lastimável.
Markus não é um homem formoso, já Nathalie é considerada uma bela mulher. As pessoas não conseguem aceitar que exista beleza além da física, que o caráter de alguém se sobressai a imagem. O filme mostra que ao abandonar esse preconceito estético ganhamos muito mais, pois descobrimos um mundo de companhias agradáveis onde o que importa é o que se tem por dentro, parte mais bela de um ser.
Podemos observar que vivemos as sobras dos comentários alheios. Tudo gira em torno do que as pessoas vão pensar, gerando assim desconforto e sofrimento. Queremos, mas não fazemos por medo dos comentários. Feliz dos que se libertam e dançam como se ninguém estivesse olhando.
Interessante o jeito meio bobo e tímido de Markus perante a firme postura de Nathalie. Traz uma certa comedia ao enredo, eu particularmente adorei as birras entre eles dois, trouxe um diferencial cativante.
O discurso final que Markus faz sobre a vida de Nathalie é muito lindo. Mostra que ele entende ela ao ponto de querer conhecer cada vez mais sua história e começar a moldar uma nova com calma e delicadeza.
“Estou caminhando por todas as idades da Nathalie; ela se escondia de trás dessa arvore quando tinha seis anos; quando adolescente ela abandonou as brincadeiras da infância e passeou entre as roseiras matutando; mais tarde uma jovem mulher se sentou neste banco a sonhar; François correu atrás dela e eles se amaram; e ela se viu sozinha, ele jamais estaria lá outra vez; as tentativas de sua vó para consolá-la não adiantaram; caminhando por aqui eu piso em suas dores e é neste local, no coração de todas essa Nathalies é onde vou me esconder.”

Informações:
Direção: David Foenkinos, Stéphane Foenkinos
Elenco: Audrey Tautou / François Damiens / Bruno Todeschini / (...)
Género: Romance / Comédia
França / 2012

Trailer:


Cenas do Filme:
















Hélio Masters
Jovem estudante de publicidade e propaganda que se entrega aos diversos estilos buscando compreender a arte de viver.
Viciado em filmes, apaixonado por música, escritor por acaso e completamente atarantado.

5

5 comentários:

  1. Filme lindo com mensagem maravilhosa. Ótimo filme, ótimo post e ótima escolha. ;) <3

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Simplesmente encantadora ^^
      Essa historia é deliciosa demais :3
      Por sinal, o seu nome é bem suspeito rsrs...!

      Excluir
    2. kkkkkkkkkk, devo confessar meu caro Sr. Masters, que o filme já me pegou, a priore, pelo nome mais lindo que uma personagem poderia ter! ^_^

      Excluir
    3. Hahaha acho justo e bom!
      E que venha outros títulos fantásticos \o/

      Excluir

 
No Site da Nay - Copyright © 2016 - Todos os direitos reservados.
imagem-logo